MAIS INFORMAÇÕES SOBRE O ASSASSINATO DA PROFESSORA PLATINENSE - Laudo não revela impressão digital de assassino de Aline

Resultado chegou no fim de semana


O delegado Fátimo Siqueira informou com exclusividade ao npdiario que os Laudos Papiloscópicos realizados pela perícia foram inconclusivos, não permitindo revelar quem tocou na chapinha e no secador de cabelos encontrados na casa da professora Aline Margarida Messias,assassinada no dia sete de novembro em sua casa(foto), no povoado da Platina, em Santo Antônio da Platina.A vítima morreu por asfixia pelos fios do secador.
Os resultados chegaram na sexta-feira, dia primeiro, vindos  de Curitiba, da Polícia Científica.
O caso se tornou um mistério e vem sendo acompanhado com interesse e curiosidade pela população do Norte Pioneiro, indicando motivação passional.Alguém chegou a machucar o ânus da vítima com um objeto contundente evidenciando ódio.
Nada foi roubado.O corpo foi encontrado pelo filho de cinco anos na residência dos dois.A jovem de 26 anos havia se separado do marido há três semanas,porém restou comprovado que ela mantinha relações íntimas com outros homens, inclusive pagas.
O delegado comentou também que familiares solicitaram a ele para evitar informações à Imprensa, mas Siqueira respondeu que não pode evitar os profissionais de darem detalhes de um caso de domínio público.
Na manhã do assassinato, duas profissionais da perícia técnica estiveram no local colhendo informações e procurando impressões e pistas(fotos).
Aline era adotada por família do bairro rural Pedra Branca e foi encontrada de lingerie com marcas de violência(o rosto tinha hematomas) na cozinha da casa, após ter sido arrastada.O filho da vítima,de cinco anos, foi o primeiro a encontrar o corpo da mãe e gritou por socorro aos vizinhos, que acionaram a PM e , na sequência, a polícia civil.
Aline dava aulas na Escola Silvestre Marques, no bairro Aeroporto em Jacarezinho, pela manhã e à tarde numa escola de educação infantil no centro platinense.
Nesta segunda-feira,dia quatro, dr.Fátimo deve prosseguir as investigações.Ele adiantou ter uma pessoa suspeita, mas não pediu a prisão preventiva por ainda não ter provas irrefutáveis.

Fonte - NP DIARIO